Política

Agora é lei: testes de alergia à proteína do leite poderão ser realizados na rede pública de saúde

Publicada no Diário Oficial, nesta segunda-feira (28), nova lei ajudará o diagnóstico precoce da alergia, revertendo sintomas que podem prejudicar o desenvolvimento infantil

Unidades públicas de saúde do Estado do Rio de Janeiro realizarão testes de provocação oral para diagnóstico de alergias à proteína do leite de vaca (APLV) em crianças de até dois anos de idade. Isso é o que determina a Lei 10.078/2023, de autoria do deputado Rosenverg Reis (MDB), sancionada pelo Governador Cláudio Castro e publicada no Diário Oficial, nesta segunda-feira (28/08).

¨Antes de ser diagnosticada, a alergia à proteína do leite promove diversas reações desagradáveis e pode, até mesmo, prejudicar o desenvolvimento infantil. Por isso, é tão importante disponibilizar o teste de provocação oral na rede pública de saúde: para agilizar o diagnóstico e, se for o caso, suspender o consumo do leite e derivados, melhorando a qualidade de vida das crianças e suas famílias¨, ressaltou Rosenverg Reis.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, é especialmente durante o primeiro ano de vida que a APLV se manifesta com mais frequência e seu diagnóstico é difícil, já que não há um teste único que a defina com exatidão. O teste de provocação oral (TPO) é considerado padrão ouro para essa finalidade, pois a pessoa ingere o alimento em doses crescentes para verificar a ocorrência ou não de reações, registrar a natureza dos sintomas e a quantidade necessária para deflagrá-los.

A alergia à proteína do leite de vaca (APLV) é a reação adversa a alimentos mais comum na infância. Os sintomas incluem vômitos, diarreia e má absorção, podendo ocasionar retardo do crescimento. Manifestações dermatológicas e respiratórias também são frequentes e podem ocorrer ainda irritabilidade, cólica e recusa alimentar.

 
 
 
 
Gisele Macedo
21993973786

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo