Política

Alerj vota ampliação de incentivo à adoação para servidores BNRJ

A Alerj vota, nesta quarta (17/11), um projeto de lei que amplia o auxílio-adoção já previsto pelo programa ¨Um Lar para Mim¨ para servidores públicos estaduais do Legislativo e do Judiciário que acolherem crianças e adolescentes órfãos ou abandonados. A proposta, de autoria do deputado Anderson Moraes (PSL), também estabelece que o Poder Executivo deverá realizar ampla divulgação da Lei 3499/2000, que instituiu o programa.

¨Desde 2000, todo servidor público do Estado que acolher uma criança ou adolescente tem direito a um auxílio que varia de três a cinco salários mínimos. Além de ampliar, precisamos dar publicidade a esse direito e incentivar, cada vez mais, este gesto nobre que pode mudar a vida de centenas de jovens e crianças¨, ressaltou Anderson Moraes.

O PL 3939/2021 prevê que a divulgação deverá ser realizada em todos os órgãos públicos da Administração Direta ou Indireta, por meio físico ou digital, ou através de parcerias com os demais poderes.

Segundo a Lei 3499/2000, para ter direito ao auxílio-adoção, além de comprovar vínculo funcional com a administração pública estadual direta ou indireta, ou situação de inatividade, o servidor deverá demonstrar a regularidade do acolhimento apresentando documentação da situação jurídica da criança expedida por juizado da Infância e da Juventude do Rio de Janeiro.

O auxílio-adoção perdurará até que a criança ou adolescente complete 21 anos, sendo prorrogado até os 24 anos se comprovadas matrícula e frequência em curso de nível superior. O valor do auxílio-adoção para cada beneficiário é atualizado à proporção da sucessão das faixas etárias previstas na Lei.

Gisele Macedo

Assessora de Comunicação

(21) 993973786

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo