Home Política Bolsonaro bate o pé, mas ciência o obriga a vacinar as crianças contra a covid-19 BNRJ

Bolsonaro bate o pé, mas ciência o obriga a vacinar as crianças contra a covid-19 BNRJ

6 Primeira leitura
0
0
7

O governo federal parece não se cansar de adotar medidas equivocadas e passar vergonha perante a ciência e a justiça. Quase um mês após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovar a inclusão de crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Vacinação (PNI) contra a covid-19, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que são contra a medida, tiveram que voltar atrás. O governo divulgou que uma remessa de 1,2 milhão de doses do imunizante da Pfizer, único aprovado pela agência reguladora, começarão a ser distribuídos para os municípios a partir do dia 14 deste mês.

Novamente contrariando a classe científica, na semana passada, dia 27/12, Bolsonaro disse que sua filha, de 11 anos, não será vacinada contra a Covid-19.

“Espero que não haja interferência do Judiciário, porque a minha filha não vai se vacinar, estou deixando bem claro. Ela tem 11 anos de idade. O mundo ainda tem dúvidas (sobre a vacina em crianças) e não vem morrendo crianças que justifique uma vacina emergencial”, declarou Bolsonaro, como se fosse um especialista em genética e infectologia.

Apesar de fazer pirraça, o presidente foi obrigado, mais uma vez, a retroceder e guardar seus ideais para si próprio, deixando quem entende do assunto definir a questão. Para o ministro Marcelo Queiroga, a derrota foi igual, já que ele defendia sem questionar as falas do presidente sobre o assunto. O ministério chegou a propor a exigência de prescrição médica para vacinar as crianças, o que acabou sendo derrubado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Até uma consulta pública foi realizada pela pasta. Formas de dificultar o processo de vacinação nos pequeninos.

No fim dessa novela, iniciada pelo embate entre o Planalto e os técnicos da Anvisa, no mês passado,  a história se repete traduzida na sobreposição da ciência à ideologia sem fundamentos e estudos técnicos de Bolsonaro.

Orientação de quem entende – “A pandemia só vai acabar quando grande parte da população estiver vacinada. Sem as crianças imunizadas, a transmissão da doença continuará em alta e oferecendo risco às pessoas, sobretudo aos idosos e aqueles com comorbidades. Também representa risco para o surgimento de novas variantes”, afirma o médico infectologista André Bon.

De acordo com o plano de vacinação, o Brasil vai receber, ainda no primeiro trimestre deste ano, 20 milhões de doses pediátricas destinadas ao público-alvo, que soma aproximadamente 20,5 milhões de crianças. A imunização será feita com duas doses, em um intervalo de oito semanas entre as aplicações. Cabe destacar que o tempo é superior ao previsto na bula da vacina da Pfizer. Na indicação da marca, as duas doses do imunizante poderiam ser aplicadas com três semanas de diferença.

Segundo o Ministério da Saúde, será preciso que a criança vá vacinar acompanhada dos pais ou responsáveis ou leve uma autorização por escrito. Existe uma ordem de prioridade, privilegiando pessoas com comorbidades e com deficiências permanentes; indígenas e quilombolas; crianças que vivem com pessoas com riscos de evoluir para quadros graves da covid-19; e em seguida crianças sem comorbidades.   Fonte Por Patrick Guimarães O Contexto.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por MARCOS Vieira
Carregar mais por Política

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Armados com fuzis, traficantes festejam invasão em favela do Rio BNRJ

 Uma divergência interna no Comando Vermelho, uma das principais facções do Rio de Janeiro…