Política

CPI dos Planos de Saúde na Alerj é referência nacional em defesa dos direitos de pacientes

Presidente Rodrigo Bacellar está empenhado para a restituição dos direitos de pacientes

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) se tornou referência nacional no enfrentamento aos planos de saúde, que têm deixado pacientes sem atendimento. Inclusive, ameaçam suspender até home care, colocando vidas em risco.

Em Brasília, a fisioterapeuta Fabiane Alexandre Simão, presidente da associação Nenhum Direito a Menos, que defende centenas de pacientes, pediu ao presidente da Câmara Federal, Arthur Lira, para seguir o exemplo do presidente da Alerj, Rodrigo Bacellar, que permitiu a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) cujo objetivo é restituir os direitos dos pacientes.

“Os planos estão negando direito à saúde e, consequentemente, à vida dos nossos filhos, deixando crianças sem tratamento”, disse Fabiane, que é mãe do Daniel, de 9 anos, que sofre de paralisia cerebral e transtorno do espectro autista.

Segundo o presidente Rodrigo Bacellar, a Alerj, mobilizada através do deputado Fred Pacheco, autor do requerimento da CPI, abriu as portas para mães e pais de filhos com deficiência que se desesperaram com cancelamento de contratos, deixando os pacientes sem tratamento.

“Eles vêm enfrentando diversos problemas com os constantes cancelamentos dos planos de saúde. Entre as reclamações estavam ausência de reembolso, atendimento e terapias negados e planos de saúde extintos sem aviso prévio. Isso é inaceitável, absurdo”, disse Bacellar, ciente que essa batalha envolve altos interesses. “Sei que muita gente grande vai se incomodar, mas não fui eleito para me esconder. Estou aqui para lutar ao lado da população que sofre com esse descaso dos planos de saúde”, completou Bacellar.

“É uma vitória do povo do Rio, mas é principalmente uma vitória das mães e pais de PCDs que lutam com tanta bravura. Desde o ano passado, vínhamos tentando uma solução para que tratamentos não fossem interrompidos”, disse o deputado Fred Pacheco.

 

Divulgação/Alerj

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo