Polícia

Ministério Público descobre que acusado de matar Marielle e Anderson fez pesquisas sobre outras vítimas

O Ministério Público do Rio descobriu indícios que ligam Ronnie Lessa — um dos acusados pelas mortes de Marielle Franco e Anderson Gomes — a outros quatro assassinatos. Investigações feitas em aparelhos apreendidos na casa de Ronnie indicam que ele fez pesquisas sobre as vítimas.

A informação foi publicada inicialmente pelo jornal “O Globo”.

Os investigadores analisaram documentos encontrados na casa do sargento reformado da Polícia Militar .

O Ministério Público do Rio quer a reabertura das investigações sobre quatro assassinatos que aconteceram entre 2006 e 2007. Os casos antigos nunca foram solucionados.

Lessa foi preso em março de 2019 acusado de ter feito os disparos que mataram Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. Na casa dele, a polícia apreendeu documentos, celulares e computadores.

A Força-tarefa que investiga a morte de Marielle, ao analisar os dados extraídos dos aparelhos, descobriu possíveis pistas sobre os assassinatos de 2006 e 2007. A principal delas é a pesquisa feita sobre vítimas.

De acordo com o MP-RJ, os quatro homicídios têm semelhanças com a emboscada que terminou com a morte de Marielle Franco.

Os quatro assassinatos sem solução nos quais o sargento Ronnie Lessa pode estar envolvido, segundo o MP são:

1) Alexandre Farias Pereira – 18/05/2007 – líder do camelódromo da Uruguaiana;

2) Ary Brum – 18/12/2007 – ex- deputado estadual e assesssor da Secretaria de Governo do Rio;

3 e 4) os irmãos Ary e Humberto Barbosa Martins – 06/11/2006 – Ary era o dono de uma agência de turismo.

“Nós não estamos evidentemente afirmando que ele tenha sido o executor. O que nós estamos fazendo é diante desses achados nós estamos enviando isso tudo para os promotores naturais diante dessas novas provas, desses novos indícios, porque todas essas pessoas foram executadas em contexto muito parecido com o da vereadora e diante dessas pesquisas, desse interesse, reputa-se relevantíssimo que essa informação vá para os autos”, diz a promotora Simone Sibílio, do MP.

A GloboNews tenta contato com a defesa de Ronnie Lessa.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo