DestaquePolícia

Polícia captura homem que estuprou cinco crianças cegas

O homem foi condenado a mais de 43 anos

“O homem que abusou de crianças cegas e que estava foragido era acobertado pela mãe, com quem ele morava e que o ajudou, por três anos, a se esconder da polícia e da justiça, uma vez que já estava condenado a 43 anos, seis meses e 10 dias de prisão”. A afirmação é do delegado Evandro Radalli, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente.

A prisão do homem, de 37 anos, ocorreu na quinta-feira (25/8), na casa onde estava residindo, e também onde mantinha uma loja de venda de doces, no Bairro Jardim Felicidade, na região norte de Belo Horizonte.

A história do supervisor pedagógico com abusos sexuais vem desde 2012, segundo conta a delegada Thais Degani, também da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e Adolescente (DEPCA), que foi quem conduziu os cinco inquéritos que levaram à condenação e à prisão do homem.

“Descobrimos, ao investigar os cinco casos ocorridos em 2016, que ele já havia cometido um delito semelhante, não em Belo Horizonte, mas em Contagem”, diz a delegada Degani.

Os cinco casos de abusos sexuais ocorreram quando o homem era supervisor pedagógico do Instituto São Rafael. Segundo a Secretaria Estadual de Educação, que é responsável pelo Instituto São Rafael, soltou nota, explicando que o investigado ocupou o cargo de supervisor pedagógico por pouco tempo, de agosto a dezembro de 2015, como substituto.

Os crimes

A delegada Degani contou que a primeira denúncia partiu de uma das mães dos cinco abusados. “Ela contou que o homem era uma pessoa que conseguiu ganhar a confiança de seu filho e dos outros. Era quem ajudava a sair da piscina, a trocar de roupa e tinha acesso ao vestiário, que foi onde aconteceram os abusos”.

A delegada disse ainda que o homem tinha por hábito colocar as crianças no colo e depois partia para o abuso, investindo contra o homem genital do menino. Todos tinham entre 10 e 13 anos. “Eram crianças”, afirma ela.

Ela ressaltou que a primeira mãe a denunciar procurou as outras quatro e relatou o que seu filho havia lhe contado e estas, ao conversarem com os filhos, obtiveram a mesma história e procuraram, então, a delegacia.

O delegado Radalli contou que o inquérito foi concluído em 2016. “O abusador estava preso, mas era um pedido temporário. Assim, quando acabou o prazo previsto, ele foi colocado em liberdade, uma vez que não havia, ainda, uma condenação.

as com o julgamento veio a condenação. “A partir desse momento, o abusador passou a mudar-se de casa constantemente. Para se ter uma idéia, ele fazia contratos de aluguel, sempre de boca. Dessa maneira, não havia registro documental. Isso dificultou, bastante, a investigação.

Mas com uma informação vinda da Polícia Federal, a Polícia Civil conseguiu chegar até o criminoso, que foi preso.

“Por hábito, nas vezes em que cometeu os abusos sexuais, o homem oferecia doces às crianças. E atualmente, ter uma casa de doces pode significar que ele teria o mesmo plano”, diz o delegado.

O homem foi encaminhado para a Penitenciária Agrícola de Neves (PAN), onde deverá cumprir a sua pena.

 

 

Fonte Correio Braziliense

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo